Perverso e Ventura

clown2

Depois de um dia cansativo de trabalho, voltando para a casa a pé por um caminho diferente depois que seu ônibus quebrou, Bryan sentou-se jogando seu corpo contra o banco de pedra sem cerimônias como se estivesse no sofá de casa. Estava calor apesar do entardecer, e com a claridade, as pessoas ainda andavam animadas pelas ruas naquele fim de tarde. Percebeu então que o fluxo de pessoas também poderia ser explicado por um velho circo que havia do outro lado. Ele não abriria naquele dia, mas havia muitos carrinhos próximos vendendo várias guloseimas e todos estavam aproveitando. Com a cabeça baixa, puxando o máximo de ar que podia para os pulmões, ouviu um riso inocente de criança e então viu um menino pequeno e loiro, brincando com uma bolinha, próximo de uma tenda. Perdeu-se observando a inocência da criança, que sem preocupações, pegava a pequena bolinha vermelha e a jogava longe, correndo desajeitado logo em seguida para pegá-la novamente.

Até que a bolinha caiu dentro da tenda e o menino confuso observou em volta procurando a sua preciosidade na grama. Antes de se dar conta de onde ela realmente estava um homem alto, com roupas velhas e coloridas saiu da tenda com a bolinha na mão, se abaixando para se aproximar do menino. Sua aparência era um tanto macabra. Um palhaço com a maquiagem borrada pelo suor, e com uma expressão um tanto mal humorada, que transparecia sua idade avançada só aumentava o ar de terror com seu jeito manco de andar. A criança, por sua vez, não se intimidou com a aparência do homem e se aproximou correndo com os braços abertos, mas invés de pegar a bolinha de sua mão foi com as mãos em seu grande nariz vermelho. O menino ria animado e quanto mais o velho palhaço se balançava para que o menino soltasse seu nariz, mais ele ria e agarrava com força.

Quando pensou ter visto um leve sorriso naquele rosto maquiado, a festa acabou e os pais do menino se aproximaram apavorados, a mãe o arrancou com um puxão levando para seu colo e o pai com um olhar autoritário pegou a bolinha vermelha de sua mão com violência.

Ele se levantou e olhou com pesar para o casal que se distanciava com velocidade e se arrastou para dentro da tenda novamente. Bryan, curioso, resolveu se aproximar da tenda para quem sabe conversar com aquele senhor.

Parecia algo fácil, mas quando estava em frente à tenda ficou sem jeito de chama-lo ou de entrar de uma vez, ficou por ali dando alguns passos como quem só está passando, mas era difícil disfarçar sua apreensão. Por que estava com receio afinal? É só uma pessoa, só um homem velho em sua tenda, não havia nada demais… Quando se virou pela última vez para tenda numa tentativa de falar qualquer coisa, foi surpreendido pelo palhaço que estava de pé a sua frente, com um olhar vazio. Depois do leve susto disfarçado, Bryan abriu a boca para falar, mas foi interrompido pelo velho bufão:

– Posso ajudar? – Sua voz era tão profunda como seus olhos, transparecendo mais uma vez sua idade avançada.

– Me desculpe, não pude deixar de reparar na criança… – Bryan não sabia por que exatamente estava ali e agora se dava conta do quão ridículo estava sendo – Eu só pensei em vir aqui e… Sei lá, conversar um pouco…

– Você trabalha com o que? – Ele respondeu de forma seca.

– Eu trabalho em um escritório, lido com clientes e fornecedores… – Bryan respondeu sem jeito.

– Gosta do seu trabalho?

– Bem, eu gosto… Apesar de que, bem, existem outras áreas que eu gosto também… – Bryan se sentia patético por perceber que havia perdido completamente o controle das coisas e não sabia mais o que estava falando.

– Pois é. Eu também gosto do meu – ele disse coçando o rosto fazendo o nariz vermelho mexer, ignorando completamente as suas lamúrias – Pena que nem todos possam reconhecer isso, mas estou acostumado com os julgamentos… – Ele finalizou entrando em sua tenda.

Bryan não se conteve e o seguiu, ficando surpreso com as coisas que havia na tenda. Eram lâmpadas, brinquedos, e diversas roupas coloridas e outros artigos circenses. O velho palhaço sentou-se em uma cadeira de balanço enquanto Bryan se ajeitou em um banquinho mesmo sem um convite pra sentar-se.

– Qual o seu nome? – Agora Bryan percebia que parecia uma criança curiosa com olhos grandes e inocentes.

– Christopher. E se você está esperando alguma história de vida bonita ou algum ensinamento do gênero, é melhor ir embora. – Ele respondeu amargo, acendendo um cigarro.

– Eu só… – Bryan tentou se justificar, mas perdeu o pensamento quando viu um pôster na parede. – Era você?

No pôster havia dois palhaços bem alegres, que convidavam as pessoas para o circo. Suas roupas tinham cores vivas e seus rostos uma alegria contagiante. Um era mais baixo e tinha cabelo azul e olhos com listras verdes e a boca pintada de vermelho com um contorno amarelo. O outro, um pouco mais alto, tinha o cabelo Verde e seus olhos tinham um tom de azul Royal e a boca tinha um vermelho vivo que chamava atenção. Notou então que mesmo borrado, ele ainda mantinha o padrão das cores.

– Sim, era eu e meu irmão. Ventura e Perverso. Nome estranho para um palhaço que sempre amou as crianças, mas ele não ligava, gostava de brincar com as palavras e os vários significados que ela poderia ter.

Então, vendo que Bryan não iria embora tão cedo, resolveu contar sua história. Não seria a primeira, e tampouco a última.

Era um grande e famoso circo que sempre viajava de cidade em cidade. Além de todas as excelentes atrações que enchiam os olhos das crianças, suas obras primas eram seus palhaços. Com truques de mágica e piadas prontas, era a diversão da noite que sempre deixava um gostinho de quero mais. Um dia houve um acidente com as bailarinas e lá estava Perverso com uma roupa e uma postura completamente diferente, ajudando as meninas na dança. Ninguém diria que era a mesma pessoa. Certa vez foi à vez dos trapezistas e com uma maquiagem diferente, lá estava ele quebrando um galho.

Um dia, uma moça da plateia ficou muito encantada com a apresentação do assistente do atirador de facas e após o show, se escondeu em sua tenda para tentar falar com ele. Porém, ao entrar percebeu que ele não era só um assistente e sim uma das estrelas na noite. Mesmo assim ela insistiu e ele preferiu não se envolver. Já havia se decepcionado antes e não queria passar por isso de novo.

Perverso nunca ficava irritado com nada, enquanto Ventura sempre foi do tipo mais seco que só falava o necessário e às vezes se derretia com as crianças. Fora dos palcos, era considerado mal humorado e carrancudo, enquanto Perverso, sempre foi o mais carinhoso. Nunca estava irritado, sempre respirava quando parecia que ia perder a calma e surpreendia com algum truque bobo que fazia com que todos rissem da situação.

A moça novamente invadiu sua tenda, e apelando, ficou nua para ele, pedindo para que ele a possuísse. Mais uma vez ele se afastou para conter seus desejos e ela, insistente não iria desistir.

Foi quando em uma noite, após o show, Perverso sumiu e a moça também não apareceu. O mal humorado Ventura ficou desconfiado, mas ignorou e foi acordado pela manhã com gritos de terror e choro. Ao sair pra fora praguejando por terem interrompido seu sono, foi surpreendido por um corpo pendurado em um galho de uma árvore próxima, pelo pescoço.

– Quem tinha sido enforcado? – disse Bryan surpreso.

– A moça. – respondeu Christopher, afundando o cigarro cinzeiro.

– E quem fez isso? – Bryan perguntou já sabendo da resposta.

– Quem você acha? Saiu até no jornal na época, foi o fim do circo… – Respondeu Christopher jogando um jornal velho enquanto andava pela tenda para Bryan que procurou curioso pela foto.

– Nossa, imagino o quanto tenha sido difícil pra você. Mas você tem notícias do seu irmão? O que aconteceu com ele?

– Bem, Ventura? Ele tá ótimo. Da última vez que nos falamos ele estava no Caribe passeando… – Respondeu Christopher que agora estava atrás de Bryan com uma corda na mão.  – Aliás, quer ouvir uma piada?

juhliana_lopes 29-08-2015

Anúncios

2 respostas em “Perverso e Ventura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s