Pré-Morte: Tentando compreender (parte 2)

parte2“Você está quase morrendo”

Aquelas palavras ecoaram tão profundamente no meu cérebro que era quase como uma tortura. Eu não conseguia acreditar e muito menos entender toda aquela situação.

– Morto?

– Não, não. Morrendo.

– Como posso estar morrendo se estou aqui andando? Até algumas horas eu estava deitado numa cama de hospital vegetando…

– Sim, mas agora você está morrendo e está passando por um processor pré-morte.

Eu ainda não conseguia assimilar aquilo. Como poderia ser.

– Isto é mentira. Como pode ser isso?

– É uma questão de burocracia. Você teve uma vida legal, curtiu bastante, como vocês falam mesmo? De boa… É de boa. Foi a festas, fumou, bebeu, aproveitou tudo que tinha de bom para aproveitar.

– Essa parte é verdade, até acontecer…

– Exatamente. O acidente foi realmente um acidente. Outras pessoas cuidam desse departamento. Eu cuido da parte da justiça e orientar os mortos para o lugar certo.

– Do que você está falando?

– Veja, vamos nos concentrar no seu caso. Um pouco antes do seu acidente, você brigou com sua namorada. Acusou que ela estaria te traindo com seu amigo. Depois foi bater no seu amigo. A verdade é que ela estava conversando com ele sobre como contar a você que estava grávida. Ele estava ajudando para fazer uma surpresa. Antes disso, você já fez muitas pessoas sofrerem. A principal que te trouxe aqui foi uma vez que você chutou a ferida exposta de um mendigo. A dor foi tanta que o pobre coitado morreu ali mesmo. Esses tipos de coisas, associadas a pequenas maldades com animais, fazem você vir para o pré-morte.

– Como você sabe tanto da minha vida? Essas coisas… O mendigo… Eu não tinha contado para ninguém! E como assim Angel esta grávida? Eu… Ela… Por que ela não me contou? Será que era isso que ela queria conversar… Eu estou… Estou…

– Acalme-se. Já disse. A confusão mental é natural nessa hora. A verdade é que sua namorada já lhe perdoou assim como seu amigo. Isso conta pontos, pois apesar de fazê-las sofrerem, elas foram fortes para lhe dar o perdão verdadeiro. Enquanto ao mendigo, ele nem teve tempo de saber o que era o perdão. Os animais, também contam votos, já que são criaturas indefesas. Você vai agonizar por algumas horas. Eu diria umas 12, sentindo uma dor equivalente ao do mendigo e os animais. Até ainda tem esse coelho. É, vão ser umas 14 horas de agonia. Você vai desejar morrer logo nos primeiros minutos, mas vai ter que esperar às 14 horas completas.

– Eu estou ficando louco. Deve ser um sonho, isso não é possível!

– Venha quero lhe mostrar uma coisa.

A figura estranha se levantou e foi me guiando até chegar ao meu quarto. Pelo vidro, eu podia ver um quarto vazio. Ele passou a mão pelo vidro, como se estivesse limpando e então eu pude ver. Minha mãe estava no quarto, os médicos e até Angel. Não sei se durante este tempo ela sempre estivera lá, já que eu nunca conseguia enxergar o lugar onde ela estava. Os médicos estavam fazendo exames e as batidas do meu coração estavam fracas. Ainda sim, tudo parecia bem…

 

/juhliana_lopes 14-01-2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s